PALAVRA DO PADRE

O SENHOR NOS FERE, MAS NOS CURA

08/07/2016

Aquele que te chamou pelo nome, te elegeu, precisa do seu coração. Aquele que te chamou, conta com o centro da sua vida. Ele te capacitou, te deu forças. Mas se você for olhar na vida dos eleitos que fizeram a diferença no Evangelho ou até no antigo testamento, foram homens e mulheres que foram feridos por Deus. Mas ninguém aqui quer ser ferido. Querem? Não.


Ninguém de nós gosta de ser ferido, mas eu sei que aqui nesta igreja hoje, somos um povo de gente ferida. Desde que nascemos fomos feridos e somos feridos.


Nasceu sendo ferido pela expulsão. Quando a sua mãe preparava você, havia um movimento muscular dizendo: sai daí. O movimento da carne é inteligente o suficiente. A sua mãe não pode lhe reter dentro dela. Você precisa ser expulso. É o movimento de contrações que te trazem ao mundo. É um sofrimento para a sua mãe, para você. Você é jogado para fora. Você começa esta vida sendo ferido.


Somente Deus sabe os muitos ferimentos que você passou pela vida a fora.


Deus não perde a oportunidade de nos curar, de nos enfaixar. Quantos sofrimentos, quantas dores já passou, quantos fracassos, quedas, traições, já passou para chegar até aqui. Quando eu olho para uma pessoa eu fico imaginando quantas pessoas cabem dentro dela. Você não é um só. Você é uma multidão que te abriga. Você é uma história de muitas pessoas que passaram por você. Você está povoado. São muitas pessoas que você traz dentro do coração.


A sua identidade, o que você é hoje está diretamente ligado ao que você viveu. Se você deu sorte de ter bons amigos, o seu próximo foi mais fácil, se teve maus amigos, dificultou, mas, o fato é que você está aqui.


Hoje estamos aqui. Sobrevivemos as expulsões que a vida nos fez. Sobrevivemos a todos os ataques que foram necessários para sermos quem a gente é;


Você não sabe tudo. Não sabe quem você é. Você não acordou sabendo tudo o que seria hoje. A identidade se constrói aos poucos. Por isso a pergunta mais cruel que precisamos enfrentar é esta: quem é você? Às vezes nem eu sei. Porque em meio a tudo que eu sou existe aquilo que eu não deveria ter sido. E fui por forças de nascimentos errados, ou porque eu não fui ferido de um jeito certo. Porque o ferimento mais bendito desta vida foi nossa mãe ter nos expulsado do ventre.


Aos sermos expulsos do ventre iniciamos um sofrimento sedentos. O ser humano não nasceu para viver dentro do ventre da mãe. Você veio dela. Você não veio ossos por acaso. Eles se formaram dentro de sua mãe.


Se hoje você tem o que tem é porque sua mãe lhe deu. A identidade é o maior mistério que temos que administrar em nossa vida. Alguém chegou aqui porque alguém deu de si. Se entregou.


Você precisou se enfrentar muitas vezes nesta vida e ainda precisará para poder se entender, se achar, e construí a sua história.


Eu não tenho ideias do que você precisou enfrentar e o que ainda enfrenta diariamente para ser quem você é. Mas, eu estou aqui, como padre que sou, lhe dando o sustento para que você tenha o direito de ser quem você é.


Para que você nunca abra mão de sua verdade pessoal. Que não se torne um boneco no mundo de hoje, um fantoche, para que você tenha o direito de pegar a sua identidade na mão e olhar para aqueles que fizeram parte da sua história até o dia de hoje e continuar remando neste mar da vida que não é fácil para mim nem para você, ousando acreditar em um Deus. Aquele que é honesto diante da luta.


O trabalho de Deus em nossa vida é diário, para nos conduzir a nascer na hora certa, o sofrer no tempo certo, porque quando perdemos de vista um nascer diário a gente se acomoda. A gente se torna o que os outros querem. Nada é mais perigoso ao ser humano do que ele se esquecer de quem ele é. E, se você se esquecer, os outros irão te transformar no que eles querem. Irão se sentir no direito de fazerem da tua vida o que eles pretendem.


A primeira leitura: “EU SOU DEUS, E NÃO DAREI LARGAS A MINHA IRA”. Deus não se perde de si mesmo. Ele se encontra e quer fazer cada um se reencontrar. Eu não posso desconsiderar a humanidade do outro.


Eu não posso fazer um julgamento moral de você sem eu saber a luta que você tem em seu interior, para você ser o que você é hoje. Então é muito fácil ser moralista.


Há muitos moralismos falsos por aí, enquanto eu falo da podridão dos outros, eu escondo a minha. Ou quero esconder aquilo que me envergonha de mim mesmo.


Você também já errou. Quantas vezes você trocou quem mais te amava. Que já machucou quem te queria bem. Então nada de moralismos sobre os outros. Vamos olhar para nós. Se modificamos o modo de olhar o mundo, as pessoas, certamente mudaremos dentro de nós mesmos.


Às vezes, somente depois de sermos feridos, machucados, é que começamos a olhar para o lado. Mas, cuidado para não se acostumar com os erros. E começar a trabalhar de acordo com o erro sem querer mudar. O que a gente precisa é arrancar da cabeça, do coração, aquilo que vicia. As clínicas de recuperação sabem disso. Elas precisam arrancar da cabeça e do coração toda a dependência. E a dependência na vida existe de muitas formas, não só nas drogas. Mas, viciado no amor estragado, viciado em uma pessoa estragada. Um amor doentio. Ah padre, mais um namoro viciado não estraga a gente como uma cocaína. Dependendo de cada recaída que você tem é mil passos atrás na sua vida.


Aquele que está viciado em um namorado, na namorada, está sem identidade, porque só os livres se possuem.


Você precisa se conquistar diariamente, se aceitar. Aceitar os movimentos contrários da vida.


Quem não segura a rédea da própria vida, não conseguirá fazer a vida valer a pena.


Aqui nesta igreja, ninguém está para te culpar, te condenar, avaliar o teu passado. Gerar preconceitos. Aqui você é bem-vindo. Não coloque a sua mochila de pecado lá fora da porta da igreja. Entre com ela. Entre como você é. Aqui isso nos interessa e muito. E é esta história que você traz dentro da mochila que Deus quer transformar, não aquilo que você vai fingir aqui na missa. Deus sabe. Você que veio inteiro ou pela metade, você é humano e bem-vindo. E isso nós queremos. Não importa se em sua mochila tenham coisas escondidas que você tem vergonha de abrir. Mas, Deus sabe que aqui você pode tornar-se o ser humano que poderia ser.


Hoje eu te pergunto: Você está aproveitando as possibilidades ou está se entregando à tristeza? Você está indo além, ou estacionado? Coragem! Abra as portas do seu armário, abra as portas do seu guarda-roupa e tire o que te escraviza. Porém, mais do que arrancar do seu armário e do seu guarda-roupa é preciso arrancar do seu coração o que lhe escraviza.


O maior trabalho hoje é fazer acordar a mente das pessoas. Porque se elas têm possibilidades, mas, não tem consciência, nunca irão mudar.

Aquele que te chamou pelo nome, te elegeu, precisa do seu coração. Aquele que te chamou, conta com o centro da sua vida. Ele te capacitou, te deu for&cce...

Dá-me dessa Água
 No Evangelho, Jesus pede e oferece ÁGUA à Samaritana. (Jo 4,5-42)   - Jesus cansado... sedento... senta-se ao lado do po...